Dos 55 deputados federais alvo de inquéritos e ações penais na Operação Lava Jato, 50 (o equivalente a 91% do total) vão disputar as eleições deste ano, de acordo com levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo. A maior parte dos parlamentares (42) disse que disputará a reeleição; quatro pretendem concorrer a uma vaga no Senado; dois a governos estaduais; um ao Legislativo estadual e um à Presidência da República.

Três deputados não responderam ou estão indecisos, enquanto apenas dois disseram que não vão ser candidatos. Se eleitos para o Congresso, eles mantêm foro privilegiado para serem investigados e julgados em casos que tramitam no Supremo Tribunal Federal. Com o novo entendimento firmado pelo STF, no entanto, o foro para parlamentares federais só vale para crimes praticados no mandato e em função do exercício do cargo. Crimes comuns ocorridos antes de assumirem seus cargos ou sem ligação com os mandatos podem ser julgados por tribunais de primeira instância. 

Nesta terça-feira (15) o STF julgará o primeiro político com foro na Corte no âmbito da Lava Jato, quase dois anos após aceitar a denúncia da Procuradoria-Geral da República. Será o caso do deputado Nelson Meurer (PP-PR), réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele é um dos que responderam que não pretendem concorrer neste ano. Para o doutor em Ciência Política pela Universidade de Brasília (UnB) Leonardo Barreto, a mudança no entendimento do STF a respeito do foro traz mais celeridade no julgamento de crimes de corrupção.

Ele citou o mensalão, que levou cinco anos para começar a ser julgado. "Antes dessa decisão do STF, o foro era entendido como uma coisa boa para todo mundo. O Supremo não tinha capacidade para julgar, isso dava uma sensação de segurança (aos investigados) muito boa", afirmou Barreto. Desde a mudança de entendimento do STF, no início deste mês, ao menos 68 casos envolvendo deputados e senadores já foram enviados pela Corte para outras instâncias da Justiça. 

O líder do PSDB na Câmara, Nilson Leitão (MT), criticou o que chamou de "indústria das denúncias" e disse que a sigla não antecipa condenações sobre parlamentares investigados do partido. "Independentemente da Lava Jato, cada caso é um caso. O PSDB, com casos gritantes, sem sombra de dúvidas, tomará atitudes." Questionado sobre pré-candidatos petistas investigados na operação, o líder do partido na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), afirmou que "só em um Estado policial, investigado é tratado como culpado". Para ele, a Lava Jato é "uma manipulação conduzida de forma seletiva em esquemas suspeitos de toda ordem".

Fonte: Bahianoticias


Voyage roubado com placa de Porto Seguro é recuperado pela PM de

Caravelas: Na tarde desta segunda-feira, 20 de agosto, por volta das 16h00, uma guarnição da 88ª CIPM se deslocou ao distrito de Ponta de Areia,

A NICA DA LIBERDADE 180

Ramiro Guedes SHINDLER, O HERÓI Final de semana sem Almoço à Brasileira (o programa está de férias), aproveito para ler “A Lista de

Campanha, debates e o dilema em não saber em quem votar

A campanha eleitoral começou oficialmente na última quinta-feira. No entanto, há tempos os candidatos jorram ideias e críticas aos adversários

José Dirceu participou de marcha por registro de Lula

O ex-ministro José Dirceu (PT) acompanhou parte da caminhada feita pela militância petista pelo registro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da

Uldurico Pinto desafia novamente a Justiça e usa Rádio para

Teixeira de Freitas: No último dia 08 de agosto, o Ministério Público Eleitoral, por meio da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) na Bahia

Comitê de Direitos Humanos da ONU recomenda que o Estado brasileiro

SÃO PAULO - O Comitê de Direitos Humanos da ONU acolheu, em caráter liminar, o pedido da defesa do ex-presidente Lula para que ele possa disputar

Preso, ex-deputado Eduardo Cunha quer Lula candidato

O ex-deputado federal Eduardo Cunha (MDB) voltou a se manifestar nesta sexta-feira (17), com uma ‘Carta à Nação brasileira’ publicada no

Propaganda eleitoral paga na internet terá que ser identificada

Com o começo oficial da campanha eleitoral, teve início também a divulgação de publicidade voltada à disputa de outubro. Além dos

Bahia tem 877 mil pessoas que deixaram de procurar emprego; esse é o

Bahia: Uma pesquisa divulgada pelo IBGE mostra que o número de baianos que deixaram de procurar emprego voltou a crescer e é o mais alto em

MP Eleitoral recomenda que emissoras baianas não promovam

A veiculação de propagandas políticas e a difusão de opiniões, durante as campanhas, é ilegal e desequilibra a disputa eleitoral. O

Nossos Apoiadores: