O candidato Geraldo Alckmin (PSDB) participou de uma sabatina dos jornais "O Globo", "Valor Econômico" e da revista "Época"

Reprodução/Facebook

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, disse nesta quinta-feira (13) que seu partido não tem "nada a ver" com o governo Michel Temer. Ele ainda classificou a gestão de Temer à frente do país de "muito ruim".

Alckmin participou, no Rio de Janeiro, de uma sabatina organizada pelos jornais "O Globo", "Valor Econômico" e pela revista "Época".

O PSDB foi um dos partidos que, em 2016, apoiaram o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A sigla também fez parte da equipe ministerial de Temer. No final de 2017, o partido oficializou a saída do governo.

Atualmente, um ministro é do PSDB, Aloysio Nunes, das Relações Exteriores, que preferiu se manter no cargo mesmo após o rompiemnto do partido com o Palácio do Planalto.

"[Aloysio Nunes] Está lá em caráter pessoal. O PSDB não tem nada a ver com esse governo", afirmou Alckmin na sabatina.

Ele disse ainda que sempre foi contra a participação do partido na gestão Temer.

"No PSDB, eu fui contra entrar no governo. Totalmente contra. O que eu defendia na época: devemos aprovar as medidas de interesse do país. Não precisamos ter ministério para isso", completou o candidato.

Em outros momentos da campanha eleitoral Alckmin já fez críticas ao governo Temer. O empenho do candidato em descolar a imagem de seu partido da atual gestão do Palácio do Planalto gerou reação por parte de Temer. O presidente gravou vídeos para ressaltar que o PSDB fez parte do governo.

Operação contra políticos do PSDB

Alckmin foi questioando sobre operações policiais nesta semana que tiveram como alvos políticos do PSDB.

No primeiro caso, na terça-feira (11), uma operação do Ministério Público do Paraná prendeu o ex-governador e candidato ao Senado Beto Richa. No mesmo dia, ele foi alvo de buscas da Lava Jato. Na quarta (12), uma operação da Polícia Federal fez buscas e apreensões na casa do governador Reinaldo Azambuja, do Mato Grosso do Sul.

"O que todos queremos e a sociedade quer é que se investigue, se apure, se puna os cuplados e se absolva os inocentes. Isso vale para todo mundo. Cabe a eles se explicar. Vida pública é pública. As instituições devem funcionar", afirmou Alckmin.

O candidato disse ainda que todos os partidos têm problemas e que, se não for feita uma reforma política, continuará havendo casos de corrupção.

"Todos os partidos estão fragilizados, inclusive o meu. Quando você tem 35 partidos, se não fizer reforma política, vai ter Lava Jato no futuro. O sistema está exaurido", completou.


Ciro fará giro pelo Nordeste para recuperar espaço perdido para

O candidato do PDT, Ciro Gomes, fará um giro por pelo menos cinco estados do Nordeste na próxima semana. A estratégia é recuperar o espaço

Doria diz que pretende estender projeto Cidade Linda para outras

Candidato ao governo visitou praça no Morumbi, Zona Sul da capital e falou sobre parceria público-privada. João Doria faz campanha na Zona Sul de

STJ nega arquivamento de ação que investiga amigo de Lula no caso

Advogado Roberto Teixeira solicitou que apurações sobre suposta lavagem de dinheiro fossem arquivadas. Segundo Ministério Público, ele

Antipetistas ricos deixam Marina e Amoêdo e migram para Bolsonaro

Candidato do PSL tem captado eleitor que rejeita o PT, mas tinha outra opção para o 1º turno. Alckmin tenta fazer o mesmo, mas não consegue.

Vaquinhas virtuais representam apenas 0,36% das arrecadações de

As chamadas vaquinhas virtuais, utilizadas pela primeira vez nas eleições de 2018, representaram até agora apenas 0,36% das arrecadações totais

Candidatos terão 25 seguranças e PF avalia proteção a mulher e

Ministro da Segurança Pública diz que inquérito sobre agressão em Minas deve terminar no prazo e nova investigação será aberta sobre

Bolsonaro prega voto útil para bloquear estratégia de adversários

O candidato do PSL a presidente da República, Jair Bolsonaro, que segue internado no Hospital Israelita Albert Einstein onde se recupera de ataque

Lewandowski diz que tentará liberar na próxima semana voto sobre

Ministro paralisou julgamento ao pedir vista e, com isso, caso saiu do plenário virtual e recomeçará em votação presencial. Definição sobre

Bolsonaro veta substituição em debates e diz a aliados que aposta

O general Hamilton Mourão, candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro Sara Resende/TV Globo O candidato do PSL à Presidência, Jair

Marina diz que vetaria legalização do aborto caso o tema fosse

Candidata da Rede à Presidência afirmou que legalização do aborto deveria ser discutida em plebiscito. Sem citar nomes, ela criticou

Nossos Apoiadores: