A Petrobras irá reajustar o valor do GLP (gás liquefeito de petróleo), tanto industrial quanto residencial (gás de cozinha), a partir desta terça-feira (22). O Sindigás (sindicato das distribuidoras) informou que suas associadas foram comunicadas pela Petrobras sobre o aumento.

No caso do GLP, os botijões de até 13 kg terão aumento de 4,8% a 5,3%. O GLP industrial (embalagens acima de 13 kg) deverá subir entre 2,9% e 3,2%, de acordo com a região. Ainda de acordo com o Sindigás, o preço do GLP empresarial e do GLP residencial estão praticamente iguais. O sindicato afirma que isso "é um bom sinal para o mercado".

O governo do presidente Jair Bolsonaro acabou, em agosto, com a política de subsídio na venda do gás de cozinha que vinha sendo praticada pela Petrobras. O término se deu por meio de uma resolução do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética), que se tornará permanente a partir de março de 2020. Com o fim da vantagem competitiva da estatal, o governo considera que concorrentes vão se mobilizar para importar o GLP, a exemplo do que fez a Copagas, que passou a importar diretamente da Bolívia para atender o Mato Grosso.

Com a resolução, o governo pretende manobrar 37% da composição do preço, incluindo tributos e margens de lucro na cadeia de produção e distribuição. Isso deve levar a uma redução de preço para o consumidor, na avaliação do governo. Estimativas iniciais indicam que, com a entrada de novos competidores, o preço do gás de cozinha deve cair de R$ 23 na refinaria para cerca de R$ 16. A política de redução de preço para os botijões de 13 kg pela Petrobras vigorava desde 2005 e foi instituída no governo do ex-presidente Lula para ajudar as famílias de baixa renda.

No entanto, o ministro considera que essa política distorceu preços sob o pretexto de ajudar a baixa renda que hoje paga cerca de R$ 90 por um botijão de gás. Dados do ministério mostram que cerca de 70% do gás de cozinha é vendido em botijões de 13 kg, volume  muito acima do que seria consumido se somente a baixa renda utilizasse esse insumo. Para o governo, no passado, essa política se justificava porque a diferença entre o preço do gás produzido internamente e o importado era grande. Hoje, essa diferença seria de cerca de 5%.

Fonte: Bahianoticias


Black Friday deve movimentar R$ 3,67 bilhões, diz CNC

A Black Friday deste ano, marcada para o próximo dia 29, deverá movimentar R$ 3,67 bilhões. Esta é a previsão da Confederação Nacional do

Prefeito de Caravelas e Presidente da Câmara participam de

Caravelas: Silvio Ramalho (Prefeito de Caravelas) e Gilmar Souza da Silva ('Gilminha', Presidente da Câmara Municipal de Vereadores) participaram

IBGE: Mais de 3 milhões buscam emprego há mais de 2 anos

Taxa de desemprego tem leve redução em relação a trimestre anterior Cerca de 3,2 milhões de pessoas estão à procura de emprego há dois

Agnaldo da Saúde poderá assumir a Chefia de Gabinete e Domingos

Teixeira de Freitas: O Liberdade News teve acesso a informações sobre uma articulação política do prefeito Temóteo Brito. Segundo apurou o

Sem acordo com oposição, Bolívia pode ter eleições por decreto

Ministro O ministro da Presidência da Bolívia, Jerjes Justiniano, afirmou hoje (18) que o governo de Jeanine Áñez, presidente autoproclamada

Governadores discutem na França criação de rota de gás natural

O uso de energias limpas foi destaque na missão internacional do Consórcio Nordeste, que continua em Paris, nesta segunda-feira (18). Com

Receita Federal libera 6º lote da restituição do IR Hoje

A Receita Federal libera nesta segunda-feira, 18, o pagamento do sexto lote da restituição do Imposto de Renda Pessoa Física 2019. A consulta

Governo libera quinto lote do abono salarial nesta quinta-feira

PIS será pago aos trabalhadores da rede privada nascidos em novembro e o Pasep a funcionários da rede pública com benefício final 4 Neste

Evo Morales diz que está disposto a voltar à Bolívia

Vamos voltar cedo ou tarde. Quanto antes melhor para pacificar a Bolívia', declarou o ex-presidente no México. O ex-presidente da Bolívia, Evo

Banco do Brics mira investimentos em PPI e Privatizações

Foco é ampliar participação em projetos privados O presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), o banco do Brics (grupo formado por

Nossos Apoiadores: