Quando morava com os pais, até meados de 2015, Jennifer de Souza, de 22 anos, trabalhava porque queria ajudar a complementar a renda da família, de classe média, que fechava todo mês em torno de R$ 3 mil. De Mauá, região metropolitana de São Paulo, a jovem aproveitou as vagas que surgiram com o boom do setor de serviços e comércio.

Até que veio a crise. De dois anos para cá, foram alguns bicos, nada formal. Hoje, Jennifer vive das contribuições que consegue nas ruas paulistanas, onde, junto do marido, também pede dinheiro para ajudar famílias carentes de sua comunidade. "Isso é tudo de antes, quando a gente tinha dinheiro. Hoje não compro nada", diz ela, apontando para os acessórios de prata que usa nas mãos e pescoço. Na casa dos pais, o momento também é outro. O pai perdeu o emprego de motorista e só a mãe trabalha, com uma pequena banca de açaí em Mauá.

A linha do tempo de Jennifer é um retrato da economia brasileira. Em 2015 e 2016 as classes D e E engordaram em mais de 4 milhões de famílias. Só daqui a seis anos, em 2023, a classe média terá recuperado o patamar de participação que alcançou em 2014, quando 28% dos lares brasileiros tinham renda mensal de R$ 2.302 a R$ 5.552. As projeções, realizadas pela Tendências Consultoria Integrada, fazem parte de estudo que analisa a evolução de famílias e renda entre as classes no Brasil até 2026, a partir de dados do IBGE.

Para Adriano Pitoli, um dos economistas responsáveis, o quadro se deve ao fim do crescimento econômico puxado por consumo e pelo setor de serviços. "Este avanço, que empregava principalmente mão de obra pouco qualificada, não tem mais espaço. No médio prazo, provavelmente haverá uma dinâmica mais concentradora de renda". A previsão é que a classe A recupere os rendimentos mais rapidamente nestes primeiros anos.

Enquanto a renda total da classe C vai crescer a uma média anual de 2,3% até 2026, a velocidade entre os mais ricos será de 4,1%, e de 3% para os rendimentos totais. Entre 2003 e 2014, a renda da classe média crescia cerca de 6% ao ano. Educação não revertida em produtividade, acesso ao crédito encurtado e fraco ambiente de negócios são listados pelo economista Marcelo Neri como entraves à retomada do antigo crescimento da classe média. Diretor da FGV Social, o economista foi responsável por cunhar o termo "nova classe média", em 2008.

"Nossa situação fiscal não comporta um empurrão na classe C por meios tributários", diz. Para Neri, o governo precisa enfatizar a necessidade das reformas e se firmar como agente regulador, e não como um órgão que repassa recursos públicos para a população.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Polícia conclui inquérito e aponta canibalismo em morte de casal

Dois adultos foram presos e três adolescentes apreendidos suspeitos do crime. Todos confessaram participação nas mortes. Presos por crime foram

Polícia prende dois e apreende armas e dinheiro

Investigadores da Delegacia Territorial (DT), de Santa Maria da Vitória, prenderam, na quinta-feira (18), com um revólver calibre 38 e 16

Draco apreende 500 pedras de crack, cocaína e maconha

Nos dias 18 e 19 de janeiro o Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) apreendeu cerca 500 pedras de crack, 150 trouxas de

Irmão e sobrinhos responsáveis por morte de tio são presos

Renato Barbosa Dias e seus filhos, Luciano e Lucineide dos Reis Dias, foram presos, na quinta-feira (18), em uma operação realizada pelas

Taxista é flagrado com fardamento da Polícia Militar

O taxista Danilo Almeida Paixão, de 28 anos, foi preso em flagrante, nesta quarta-feira (17), em posse de um fardamento da Polícia Militar, no

Assaltante envolvido em latrocínio de mulher é preso

Investigadores da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), de Feira de Santana, prenderam, nesta quarta-feira (17), o ex-pastor Edmilson

Traficante tem mandado cumprido por homicídio

Com prisão preventiva decretada por envolvimento no homicídio do rival Josenilson Pereira dos Santos, o traficante Antonael Magalhães de Souza,

Trio é preso com submetralhadora, revólver e pistola

Eduardo da Silva Santos, de 21 anos, o “Dudu”, Júlio Leite de Santana Júnior, 21, o “Julinho”, e Bruno dos Santos Ferreira, 18, o

Jovens morrem em batida entre carro e caminhonete na Bahia

Colisão ocorreu na BR-116, na altura da cidade de Vitória da Conquista. Um terceiro veículo que passava pela rodovia foi atingido na

Suspensa reintegração de bancário condenado por crime financeiro

Eunápolis: O desembargador Esequias Pereira de Oliveira, do TRT5-BA, deferiu liminar em Mandado de Segurança impetrado pela Caixa Econômica

Lecão natal
Casa das Correias
previcon
Connect Informática
Pitagoras Connect
Nossos Apoiadores: