Entidades representativas emitiram notas após o assassinato do jornalista Lourenço Veras, conhecido com Léo Veras, na última quarta-feira, 12. O jornalista foi morto a tiros na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero. Veras era responsável por um site que noticiava a disputa do narcotráfico na fronteira entre Brasil e Paraguai.

Em nota, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) lamentou a morte do jornalista brasileiro e pediu agilidade das autoridades no esclarecimento do caso. “Todo assassinato de jornalista é uma tentativa de calar o mensageiro, comprometendo a liberdade de imprensa”, diz o texto.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) disse que a violência atinge a categoria e toda a sociedade. No texto, a Fenaj destaca que “sem jornalismo não há democracia”.

O Sindicato de Jornalistas Profissionais do Mato Grosso do Sul afirmou que Veras já havia relatado ameaças de morte recebidas por seu trabalho de investigação e denúncia do tráfico. Para a entidade, o jornalista é “mais uma vítima dos ataques contra os trabalhadores da comunicação”.

Investigação

De acordo com a Polícia Nacional do Paraguai, Léo Veras foi atingido por cerca de 12 tiros de pistola 9 milímetros.

Ontem, o vice-ministro de Assuntos Políticos do Ministério do Interior do Paraguai, Jesus Lara Céspedes, se reuniu com membros do sindicato dos jornalistas do país, que expressaram preocupação com o assassinato. O vice-ministro informou que um grupo formado pelos melhores investigadores da Polícia Nacional foi enviado de Assunção para Pedro Juan Caballero para reforçar os trabalhos de apuração do crime.

“A situação em Pedro Juan Caballero é muito preocupante. O ambiente de violência em que trabalham os companheiros. Agora tivemos o compromisso do vice-ministro de tomar medidas, de levar profissionais de Assunção e esperamos uma resposta favorável na prática”, disse o secretário-geral do sindicato, Jimmy Peralta.

Veras trabalhava há mais de 15 anos na região da cidade de Pedro Juan Caballero, que faz fronteira com Ponta Porã (MS), e é considerada uma das principais portas de entrada de drogas e armas no Brasil. Em janeiro deste ano, 75 presos fugiram de um presídio localizado na cidade paraguaia. De acordo com autoridades policiais, a maioria dos presos tem ligação com o grupo Primeiro Comando da Capital (PCC).

Fonte: Atarde


Menina de 7 anos morre após ser baleada em Camaçari

Uma menina de apenas 7 anos morreu após ser baleada na cabeça, na noite desta quarta-feira, 19, na cidade de Camaçari, na Região Metropolitana

PRF monta operação especial de fiscalização durante o Carnaval

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) inicia nesta sexta-feira, 21, e segue até a próxima quarta-feira, 26, a Operação Carnaval 2020. O objetivo

Sucuri é resgatada após sair de lagoa e ser atropelada por moto

Porto Seguro: Uma cobra da espécie sucuri, com sete metros de comprimento e 110 quilos, foi resgatada no loteamento Jardins do Porto, na cidade de

Identificado homem morto a tiros em rua do bairro Mirante

Porto Seguro: Foi identificado o homem morto a tiros no bairro Mirante Caravelas, cidade de Porto Seguro, por volta das 15h30 desta terça-feira

Porto Seguro: Homem é morto a tiros enquanto transitava em rua

Porto Seguro: Um homem ainda não identificado foi morto a tiros no bairro Mirante Caravelas, cidade de Porto Seguro, por volta das 15h30 desta

Devinho Novaes é acusado de agredir namorada; cantor nega

Nesta segunda-feira, 17, a blogueira e modelo Luzia Lima, acusou o namorado, Devinho Novaes, de agressão através de stories, no Instagram. Luzia

Flávio Bolsonaro acusa PM da Bahia sobre o miliciano Adriano Nobrega

Laudo do DPT da Polícia Civil baiana apontou que Adriano foi morto com dois tiros O deputado Flávio Bolsonaro divulgou nesta terça-feira (18)

Folião fantasiado de 'PM da maconha' é detido

Folião da "PMBA - Permitido Maconha, Bora Apertar!" foi preso no Furdunço Entre tantas fantasias e tantos foliões, um não passou

Capital teve quatro mulheres assassinadas em menos de 24h

Crimes aconteceram neste fim de semana no Canela, Horto, Narandiba e Sussuarana Quatro mulheres morreram entre a madrugada e a manhã do último

Suspeitos de ordenar e executar homicídios são mortos pela polícia

Eunápolis: Dois homens acusados de assassinatos foram mortos em uma troca de tiros com a Polícia Militar, fim da tarde de domingo (16), no bairro

Nossos Apoiadores: