Embora o risco de infarto seja menor em mulheres, certos fatores de risco parecem ter um impacto maior sobre elas

As mulheres que fumam, sofrem de diabetes ou hipertensão correm mais risco de ter um ataque cardíaco do que homens nas mesmas condições, afirma uma pesquisa liderada por cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Ao longo de sete anos, 5.081 participantes tiveram seu primeiro ataque cardíaco - e um em cada três eram mulheres. De uma maneira geral, os homens ainda são três vezes mais propensos do que as mulheres a ter um ataque cardíaco.

Mas, embora o risco de infarto seja menor em mulheres do que em homens em todas as faixas etárias, certos fatores de risco parecem ter um impacto maior sobre as mulheres.

De acordo com a pesquisa, as mulheres que fumavam tinham três vezes mais chance de ter um ataque cardíaco do que aquelas que não fumavam - mas, no caso dos homens, o hábito de fumar apenas dobrou o risco.

A hipertensão, por sua vez, aumentou em 83% o risco nas mulheres, em relação a seu efeito nos homens. O estudo também concluiu que o diabetes tipo 1 e tipo 2 teve um impacto maior sobre o risco de infarto em mulheres na comparação com os homens,

Os pesquisadores dizem não saber por que esses fatores diferem de acordo com o sexo. Embora nenhuma conclusão possa ser tirada sobre causa e efeito, eles têm algumas teorias.

Pesquisadores alertam que as mulheres muitas vezes não percebem que correm o risco de desenvolver doenças cardíacas

Fatores biológicos podem ajudar a explicar. Por exemplo, o diabetes tipo 2, que geralmente está associado a maus hábitos alimentares e a um certo estilo de vida, pode ter um impacto diferente no coração feminino em relação ao masculino.

"É algo complexo que acontece no longo prazo, provavelmente causado por uma combinação de fatores - biológicos e sociais", diz Elizabeth Millett, principal autora do estudo e epidemiologista do Instituto George para Saúde Global, da Universidade de Oxford.

Em artigo publicado na revista científica BMJ, os pesquisadores alertam que as mulheres muitas vezes não percebem que correm o risco de desenvolver doenças cardíacas - e sugerem que elas podem não estar recebendo o atendimento e tratamento adequados.

Segundo os autores, elas deveriam ter acesso aos mesmos tratamentos dos homens e receber, por exemplo, apoio para parar de fumar. Além disso, os médicos também deveriam ser mais eficientes em identificar o risco em pacientes do sexo feminino.

"A doença cardíaca também afeta as mulheres e isso precisa ser reconhecido", afirma Millett.

"As mulheres precisam estar cientes de que correm risco, mas, apesar das diversas campanhas, isso ainda não está no radar da maioria das mulheres."

Em um editorial publicado junto do estudo, os cientistas afirmam que os homens podem ser mais propensos a enfartar, mas a doença cardíaca é a que mais mata mulheres no Reino Unido.

Millett acredita que, no futuro, com o envelhecimento da população, as mulheres podem começar a apresentar uma taxa geral de ataques cardíacos semelhante a dos homens.

Mas, segundo os pesquisadores, as mulheres com diabetes, pressão alta e que fumam "devem considerar um nível de risco comparável ao de muitos homens".

Sintomas de ataque cardíaco

- Dor no peito - sensação de pressão, aperto no centro do peito

- Dor em outras partes do corpo - pode parecer que a dor irradia do peito até os braços (geralmente é no braço esquerdo, mas pode afetar ambos os membros), mandíbula, pescoço, costas e abdômen

- Vertigem ou tontura

- Sudorese

- Falta de ar

- Enjoo

- Sensação forte de ansiedade (semelhante a um ataque de pânico)

- Tosse ou chiado

Embora a dor no peito costume ser forte, algumas pessoas podem sentir apenas um pequeno incômodo, semelhante à indigestão. Em alguns casos, a dor no peito pode ser inexistente, especialmente em mulheres, idosos e pessoas com diabetes.

Fonte: Sistema Público de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês)


Hospital São Bernardo de Alcobaça fala do caso no atendimento de

Alcobaça: A circulação nas redes sociais de um vídeo sobre a falta de médico no Hospital São Bernardo (HSB) de Alcobaça foi um dos assuntos

Falso médico é preso por usar nome de profissional verdadeiro

Um falso médico foi preso em Nova Soure, no nordeste baiano, após uma denúncia anônima. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA), o

Idoso morre após ser picado por escorpião

Um idoso de 76 anos veio a óbito um dia após ter sido picado por um escorpião no bairro de Valéria, em Salvador. Manoel Messias dos Santos

Pais devem se atentar ao uso excessivo de eletrônicos por crianças

Com os avanços tecnológicos percebe-se que as crianças estão cada vez mais conectadas no mundo virtual e nas diferentes ferramentas e

Bahia é o sétimo estado do Brasil com mais casos de meningite

Em um levantamento que levou em conta o período entre 2008 e 2018, o estado da Bahia configura-se como o sétimo estado brasileiro com mais casos

Justiça determina inclusão de remédios à base de cannabis pelo

A Justiça Federal determinou que medicamentos à base de Canabidiol (CBD) e Tetraidrocanabinol (THC), já registrados pela Agência de

Ex-prefeito de Teixeira, Dr. Wagner, é transferido em UTI Aérea

Teixeira de Freitas: O ex-prefeito de Teixeira de Freitas, Dr. Wagner Ramos Mendonça, 69 anos de idade, deu entrada no Hospital Sobrasa, no final

Cerca de 630 milhões de pessoas devem ter diabetes até 2045

O Atlas do Diabetes, a cada atualização, aponta uma tendência alarmante sobre a doença no mundo. O levantamento da Federação Internacional de

Confira alguns cuidados para se ter com a pele em época de carnaval

O carnaval é umas das festas mais desejadas do calendário nacional. Acontecendo sempre em meio ao verão, a festa em Salvador mistura folia,

'Menor recém-nascido do mundo' tem alta do hospital de Tóquio

Médicos dizem que o bebê, nascido com apenas 268 g, é o menor menino prematuro do mundo a conseguir sobreviver e ser mandado para casa com

UAI Brasil
O teixeirão 2018
Connect Informática
Nossos Apoiadores: