Embora o risco de infarto seja menor em mulheres, certos fatores de risco parecem ter um impacto maior sobre elas

As mulheres que fumam, sofrem de diabetes ou hipertensão correm mais risco de ter um ataque cardíaco do que homens nas mesmas condições, afirma uma pesquisa liderada por cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Ao longo de sete anos, 5.081 participantes tiveram seu primeiro ataque cardíaco - e um em cada três eram mulheres. De uma maneira geral, os homens ainda são três vezes mais propensos do que as mulheres a ter um ataque cardíaco.

Mas, embora o risco de infarto seja menor em mulheres do que em homens em todas as faixas etárias, certos fatores de risco parecem ter um impacto maior sobre as mulheres.

De acordo com a pesquisa, as mulheres que fumavam tinham três vezes mais chance de ter um ataque cardíaco do que aquelas que não fumavam - mas, no caso dos homens, o hábito de fumar apenas dobrou o risco.

A hipertensão, por sua vez, aumentou em 83% o risco nas mulheres, em relação a seu efeito nos homens. O estudo também concluiu que o diabetes tipo 1 e tipo 2 teve um impacto maior sobre o risco de infarto em mulheres na comparação com os homens,

Os pesquisadores dizem não saber por que esses fatores diferem de acordo com o sexo. Embora nenhuma conclusão possa ser tirada sobre causa e efeito, eles têm algumas teorias.

Pesquisadores alertam que as mulheres muitas vezes não percebem que correm o risco de desenvolver doenças cardíacas

Fatores biológicos podem ajudar a explicar. Por exemplo, o diabetes tipo 2, que geralmente está associado a maus hábitos alimentares e a um certo estilo de vida, pode ter um impacto diferente no coração feminino em relação ao masculino.

"É algo complexo que acontece no longo prazo, provavelmente causado por uma combinação de fatores - biológicos e sociais", diz Elizabeth Millett, principal autora do estudo e epidemiologista do Instituto George para Saúde Global, da Universidade de Oxford.

Em artigo publicado na revista científica BMJ, os pesquisadores alertam que as mulheres muitas vezes não percebem que correm o risco de desenvolver doenças cardíacas - e sugerem que elas podem não estar recebendo o atendimento e tratamento adequados.

Segundo os autores, elas deveriam ter acesso aos mesmos tratamentos dos homens e receber, por exemplo, apoio para parar de fumar. Além disso, os médicos também deveriam ser mais eficientes em identificar o risco em pacientes do sexo feminino.

"A doença cardíaca também afeta as mulheres e isso precisa ser reconhecido", afirma Millett.

"As mulheres precisam estar cientes de que correm risco, mas, apesar das diversas campanhas, isso ainda não está no radar da maioria das mulheres."

Em um editorial publicado junto do estudo, os cientistas afirmam que os homens podem ser mais propensos a enfartar, mas a doença cardíaca é a que mais mata mulheres no Reino Unido.

Millett acredita que, no futuro, com o envelhecimento da população, as mulheres podem começar a apresentar uma taxa geral de ataques cardíacos semelhante a dos homens.

Mas, segundo os pesquisadores, as mulheres com diabetes, pressão alta e que fumam "devem considerar um nível de risco comparável ao de muitos homens".

Sintomas de ataque cardíaco

- Dor no peito - sensação de pressão, aperto no centro do peito

- Dor em outras partes do corpo - pode parecer que a dor irradia do peito até os braços (geralmente é no braço esquerdo, mas pode afetar ambos os membros), mandíbula, pescoço, costas e abdômen

- Vertigem ou tontura

- Sudorese

- Falta de ar

- Enjoo

- Sensação forte de ansiedade (semelhante a um ataque de pânico)

- Tosse ou chiado

Embora a dor no peito costume ser forte, algumas pessoas podem sentir apenas um pequeno incômodo, semelhante à indigestão. Em alguns casos, a dor no peito pode ser inexistente, especialmente em mulheres, idosos e pessoas com diabetes.

Fonte: Sistema Público de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês)

Sobe para 1915 casos de Covid-19 em Teixeira: 16 pessoas estão na

Teixeira de Freitas: Nesta data, a Secretaria de Saúde de Teixeira de Freitas comunica 48 novos casos confirmados. Nosso município atingiu o

Covid-19: Brasil registra 69,1 mil mortes e 1,75 milhão de casos

Há 632 mil pessoas em acompanhamento e 1.054.043 estão recuperadas O Brasil registrou 69.184 mortes em função da pandemia do novo

Centro de Atenção Municipal ao Covid-19 iniciará na segunda

Teixeira de Freitas: Com o objetivo de atender a população durante a pandemia, o Centro de Atenção Municipal ao Covid-19 iniciará suas

Teixeira registra 92 novos casos de Covid-19: São 1867

Teixeira de Freitas: Nesta data, a Secretaria de Saúde de Teixeira de Freitas comunica 92 novos casos confirmados. Nosso município atingiu o

Pai de Tequinha assessor do prefeito Temóteo Brito morre de infarto

Teixeira de Freitas: O assessor municipal, Uivanthe Brito Andrade, popularmente conhecido como Tequinha, comunica, com pesar, o falecimento do seu

Boletim Covid-19 em Teixeira: 1775 casos; 30 mortes e 33 pessoas

Teixeira de Freitas: Nesta data, a Secretaria de Saúde de Teixeira de Freitas comunica, com pesar, mais um óbito. Tivemos ainda, 78 novos casos

Morre a 30ª vítima da Covid-19 em Teixeira de Freitas: Mulher de 60

Teixeira de Freitas: Nesta quarta-feira, 08 de julho, morreu a 30ª vítima de Covid-19 em Teixeira de Freitas. Trata-se de uma mulher de 60 anos

Brasil tem 1,66 milhão de casos confirmados do novo coronavírus

Quase 977 mil pessoas já se recuperaram e 66.741 morreram O Brasil chegou a 66.741 mil mortes e 1.668.589 milhão de casos em decorrência da

Casos de chikungunya crescem 434% na Bahia

Provocada pelo mosquito Aedes aegypti, o número de casos de chikungunya tem crescido na Bahia. Segundo a Secretaria de Saúde do estado (Sesab), o

Brasil tem 65,4 mil mortes causadas pela covid-19

Do total de infectados, 927.292 já se recuperaram O Brasil chegou a 65.487 mortes em decorrência da covid-19. Foram registradas mais 620 mortes

Nossos Apoiadores: