Bombeiros que atuam no resgate tomam remédio para minimizar riscos do contato com lama e sofrem com efeitos colaterais

O perigo em Brumadinho não se limita ao possível rompimento de novas barragens na região. A lama que arrastou parte da mina da Vale, construções e estradas traz consigo riscos imediatos e futuros à saúde para quem teve contato com o barro e também quem vive próximo ao rio Paraopeba.

Médicos ouvidos pela BBC News Brasil alertam para o risco de infecções, contaminações e, num futuro próximo, até de câncer e doenças autoimunes.

"As doenças infectocontagiosas ou parasitárias podem surgir agora. Como é barro, é córrego, pode ter leptospirose, aumento da dengue e de febre amarela", afirma o médico Marcelo Lopes Ribeiro, diretor assistencial da Fhemig (Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais).

Ribeiro observa ainda que há substâncias químicas e tóxicas no local, o que aumenta o risco de contaminações e intoxicações.

O médico Luis Fernando Correia, comentarista da rádio CBN e do canal de TV GloboNews, afirma que, além das doenças a curto prazo, há o risco de exposição a elementos químicos que podem ser altamente prejudiciais à saúde a médio e longo prazo.

"A qualidade da água dos rios e dos peixes precisam ser monitorados e a população da região precisa ser acompanhada. Daqui a dez anos podem surgir casos de câncer e de doenças autoimunes e podemos não associá-las ao rompimento da barragem", afirma Correia.

Produtos químicos na lama

O médico cita um estudo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) que identificou 13 elementos químicos, entre eles níquel, magnésio e cádmio, usados na mineração na região do quadrilátero ferrífero em Minas.

"São chamados elementos traço e mesmo em quantidade pequena podem ser prejudiciais. O problema é que não é possível medir qual a concentração a qual as pessoas foram expostas", avalia Correia.

O geólogo Bráulio Magalhães Fonseca, professor da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), diz que rejeito de mineração contém, basicamente, óxido de ferro, amônia, muita sílica, silte e argila. Barragens muito antigas podem ter elementos altamente tóxicos.

A Vale está fazendo uma análise laboratorial do rejeito para saber se o material representa risco para a saúde. "Podem conter até mercúrio e arsênio", afirma o professor. Somam-se a isso outras substâncias armazenadas nos galpões da Vale e até mesmo as que estavam no caminho por onde a lama passou.

"Os rejeitos que chegam aos rios da região podem contaminar a fauna e a flora, eventualmente afetando a cadeia alimentar. Para os humanos os riscos são, principalmente, o consumo de peixes que tenham tido contato com os resíduos e rejeitos acumulados no fundo dos rios. Os resultados poderão ser percebidos somente daqui a décadas", diz Luis Fernando Correia.

O médico Marcelo Ribeiro conta que alguns dos seis sobreviventes da tragédia atendidos no hospital João XXIII chegaram a engolir lama e apresentaram irritação ocular. O serviço de toxicologia do hospital pediu à Vale, dona da mina, a lista de substâncias para tentar medicar os pacientes, mas que até então não tinha sido enviada.

"Falaram que está em estudo", diz Ribeiro.

Médicos alertam para risco imediato de infecções, leishmaniose e dengue, além de risco futuro de câncer e doenças autoimune. A Vale está fazendo uma análise laboratorial do rejeito para saber se o material representa risco para a saúde. O laudo deve ficar pronto em até 15 dias.

Nesta terça-feira, o coordenador-adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais, tenente-coronel Flavio Godinho, chegou a dizer que alguns bombeiros tiveram intoxicação por causa do contato com a lama em Brumadinho. Mas o Corpo de Bombeiros explicou que os militares estão tomando medicamentos para minimizar os efeitos do contato com material orgânico. "Esses medicamentos podem ocasionar náuseas e diarreia. São efeitos colaterais", explicou a corporação, por meio da assessoria de imprensa.

Fonte: BBC News

Covid-19: Brasil registra 69,1 mil mortes e 1,75 milhão de casos

Há 632 mil pessoas em acompanhamento e 1.054.043 estão recuperadas O Brasil registrou 69.184 mortes em função da pandemia do novo

Centro de Atenção Municipal ao Covid-19 iniciará na segunda

Teixeira de Freitas: Com o objetivo de atender a população durante a pandemia, o Centro de Atenção Municipal ao Covid-19 iniciará suas

Teixeira registra 92 novos casos de Covid-19: São 1867

Teixeira de Freitas: Nesta data, a Secretaria de Saúde de Teixeira de Freitas comunica 92 novos casos confirmados. Nosso município atingiu o

Pai de Tequinha assessor do prefeito Temóteo Brito morre de infarto

Teixeira de Freitas: O assessor municipal, Uivanthe Brito Andrade, popularmente conhecido como Tequinha, comunica, com pesar, o falecimento do seu

Boletim Covid-19 em Teixeira: 1775 casos; 30 mortes e 33 pessoas

Teixeira de Freitas: Nesta data, a Secretaria de Saúde de Teixeira de Freitas comunica, com pesar, mais um óbito. Tivemos ainda, 78 novos casos

Morre a 30ª vítima da Covid-19 em Teixeira de Freitas: Mulher de 60

Teixeira de Freitas: Nesta quarta-feira, 08 de julho, morreu a 30ª vítima de Covid-19 em Teixeira de Freitas. Trata-se de uma mulher de 60 anos

Brasil tem 1,66 milhão de casos confirmados do novo coronavírus

Quase 977 mil pessoas já se recuperaram e 66.741 morreram O Brasil chegou a 66.741 mil mortes e 1.668.589 milhão de casos em decorrência da

Casos de chikungunya crescem 434% na Bahia

Provocada pelo mosquito Aedes aegypti, o número de casos de chikungunya tem crescido na Bahia. Segundo a Secretaria de Saúde do estado (Sesab), o

Brasil tem 65,4 mil mortes causadas pela covid-19

Do total de infectados, 927.292 já se recuperaram O Brasil chegou a 65.487 mortes em decorrência da covid-19. Foram registradas mais 620 mortes

Após teste positivo, Bolsonaro diz que fará novo exame

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 6, que vai realizar um novo teste da covid-19. De acordo com o jornalista Claudio Humberto

Nossos Apoiadores: