Mesmo com os avanços na medicina neonatal, os bebês que nascem prematuros (pré-termo), ou seja, com idade gestacional inferior a 37 semanas e peso inferior a 2,5 kg, apresentam um risco aumentado para algumas condições, como a hidrocefalia, acúmulo anormal de líquido cefalorraquidiano (LCR) na cavidade craniana. No período neonatal, a incidência de hidrocefalia é de 0,48 a 0,81 por 1000 nascidos vivos.

A hidrocefalia pode ser caracterizada como a acumulação do líquido cefalorraquidiano (LCR ou líquor) nas cavidades ventriculares cranianas, causando aumento na pressão intracraniana sobre o cérebro, podendo gerar lesões no tecido cerebral, bem como o aumento e inchaço do crânio. O líquido cefalorraquidiano banha o cérebro e a medula espinhal a fim de evitar eventuais traumas ou choques sobre o sistema nervoso central. Ele é produzido e absorvido pelos ventrículos localizados no crânio, através da corrente sanguínea. Quando há obstruções nos pequenos orifícios pelos quais circula, o processo pode ser dificultado.

As causas mais comuns da doença em recém-nascidos prematuros são as hemorragias intracranianas, ligadas a 90% dos casos. “A hemorragia intracraniana é uma condição grave, que precisa de tratamento imediato para evitar ou minimizar possíveis sequelas neurológicas futuras, como paralisia cerebral, déficit intelectual, motor e atrasos no neurodesenvolvimento em geral”, comenta a neuropediatra Andrea Weinmann.

Segundo a médica, as estruturas cerebrais nos bebês pré-termo são imaturas, ou seja, não estão totalmente desenvolvidas, especialmente nas áreas em que acontece a proliferação celular e vascular do cérebro, chamada de matriz germinativa. “Os vasos sanguíneos num bebê prematuro são muito finos e podem se romper facilmente com qualquer alteração no fluxo sanguíneo, evoluindo para a hidrocefalia secundária em alguns casos”, explica.

Há uma estimativa de que a hemorragia intracraniana afete de 20 a 40% dos recém-nascidos que nascem com menos de 1,5 kg. Os primeiros três ou quatro dias de vida são críticos, pois é nesse período que há maior risco de acontecer uma hemorragia cerebral, sendo as primeiras 24 horas decisivas.

O quadro clínico, assim como o tratamento, irá depender da gravidade da hemorragia. O método mais usado para diagnosticar é o ultrassom transfontanelar. Quando a hemorragia já chegou nos graus III e IV, os mais graves, pode levar a danos no cérebro de forma crônica.

Nesses casos, os bebês são monitorados para detectar e tratar a hidrocefalia pós-hemorrágica de forma precoce. “O tratamento mais usado é a Derivação Ventrículo-Peritoneal (DVP), um dispositivo usado para aliviar a pressão intracraniana causada pelo acúmulo de líquido. O sistema irá drenar o líquor e enviá-lo para outras partes do corpo, geralmente para a região peritoneal”, explica o Dr. Iuri Weinmann.

Para dar início ao procedimento, é feita uma pequena incisão atrás da orelha e um pequeno orifício no crânio, para inserção do cateter que irá drenar o líquido. Esse cateter se estende até o abdômen, permitindo que o excesso de líquido seja drenado para a cavidade abdominal, onde será absorvido. É colocada uma espécie de válvula em ambos os cateteres que é ativada quando o líquido aumenta. Após esse procedimento, o bebê terá acompanhamento médico, como explica Andrea. “Depois do processo cirúrgico, por ser prematuro, o bebê ficará internado para fazer um exame de controle, sendo acompanhado por um neuropediatra e por um neurocirurgião, que irão avaliar outros possíveis retornos”.

A hidrocefalia pode deixar sequelas neurológicas, mas isso vai depender de uma série de fatores. Entre as sequelas, pode-se citar atraso no desenvolvimento, dificuldades de aprendizagem, paralisia cerebral e déficit intelectual. Por isso os bebês que apresentam a hidrocefalia devem ser acompanhados por equipe multiprofissional com neurologista infantil e neurocirurgião.

Fonte: Atarde


Caminhão da Caixa chega a Teixeira e irá oferecer serviços de

De segunda (27) a sexta-feira (31) estará em Teixeira de Freitas o caminhão da Adimplência da Caixa Econômica, que oferece atendimento aos seus

Como nossos dentes podem ajudar a ciência

Além dos dentes de leite infantil, os permanentes também podem ser úteis em pesquisas científicas Depois de perder um dente ao cair

Quantos copos de água devemos tomar por dia?

Quem nunca ouviu aquela história de que devemos tomar oito copos de água por dia para manter nossos corpos hidratados? Alguns estudos mostram

Lavrador de 51 anos tem pedra de 1,3 Kg e 18 cm retirada da bexiga em

Jacobina: Um lavrador de 51 anos passou por uma cirurgia em um hospital de Jacobina, na região norte da Bahia, para a retirada de uma pedra de

Como o sedentarismo mudou nossos pés

Os pés ficaram séculos sem mudanças, no processo de evolução, até que começamos a nos mover menos Durante quase dois milhões de anos, os

Estudo sugere que a maconha aumenta a vontade de se exercitar

Um novo estudo questiona o estereótipo de “preguiçoso” de usuários de maconha Um novo estudo parece quebrar o esteriótipo de usuários de

Nem masculino, nem feminino: conheça a realidade dos intersexo

O sexo do bebê é algo celebrado desde o acompanhamento médico da criança com os ultrassons, até os festivos chás de revelação. Mas o que

Saúde pública: São quase 500 oportunidades para médicos

Salários passam de R$ 14 mil Os médicos estão cada vez mais atraídos pelos concursos públicos. Antes poucos se inscreviam ou não assumiam o

Cientista brasileira cria 'caneta' que detecta câncer durante

Uma cientista brasileira de 33 anos desenvolveu uma espécie de caneta capaz de detectar células tumorais em poucos segundos. Livia Schiavinato

Médico é acusado de envenenar 17 pacientes

Frédéric Péchier, que havia sido acusado de sete envenenamentos, é agora suspeito de ter intoxicado outras 17 pessoas Um anestesista francês,

UAI Brasil
Nossos Apoiadores: