Sintoma mais comum de doença que afeta 15% da população é a dor de cabeça, mas o que muitos não sabem é que ela pode se manifestar por meio de pontos luminosos ou piscantes, percepção de luz em ziguezague e visão embaçada

Estima-se que uma em cada sete pessoas do planeta sofra de enxaqueca. No Brasil, a doença, considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a sexta mais incapacitante do mundo, afeta cerca de 15% da população, mais ou menos 31 milhões de indivíduos, com incidência maior entre as mulheres (25%).

Apesar de muita gente não saber, a enfermidade pode ter sintomas que vão além de dor de cabeça. São os distúrbios visuais, que se manifestam através de pontos luminosos ou piscantes e que ficam parados ou se movem, percepção de luz em ziguezague e visão embaçada, entre outras maneiras.

Eles fazem parte de um tipo menos comum da patologia, a enxaqueca com aura. Vale destacar que existem ainda outras formas de auras, as sensoriais e motoras - elas causam, por exemplo, formigamento ou dormência em uma ou mais partes do corpo, dificuldade em falar e ouvir e confusão mental.

"A maioria das pessoas têm a enxaqueca clássica, apenas de 15% a 20% apresentam a com aura, e a visual atinge 90% delas", comenta Fabio Porto, neurologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

É o caso da bancária Geórgia Namer, de 41 anos. "Acho que tenho enxaqueca desde que nasci. Minha mãe também tem, e nas primeiras vezes em que falei para ela que estava com dor cabeça e 'vendo coisas brilhando', quando ainda era bem pequena, ela achou que eu a estava imitando, mas infelizmente era verdade. Sofro com essa doença a vida toda."

Moradora da Bahia e mãe de dois meninos, um de 18 anos e outro de três, ela conta que a manifestação da sua aura se dá por meio de vista embaçada e, na sequência, pequenos pontos brilhantes, que vão crescendo até tomar conta de metade do olho.

"Na infância isso acontecia duas ou três vezes por mês, e os professores até me liberavam da aula, pois sabiam que eu ficava bem mal. Na adolescência e no início da fase adulta passou para duas vezes por semana", relata.

Na busca por se livrar do problema ou ao menos diminuir o número de crises, Geórgia procurou diversos médicos e fez uma série de tratamentos, inclusive os preventivos, mas sem muito sucesso.

"Tomei tudo quanto é tipo de remédio, antihipertensivos, antidepressivos, anticonvulsivante, analgésicos... Eles adiantavam por alguns meses, mas depois voltava tudo, e nem adiantava aumentar a dosagem. Só fiquei livre da enxaqueca durante as minhas duas gravidezes, acho que por causa dos hormônios", diz.

Após o nascimento do segundo filho, sua situação piorou, já que as dores de cabeça se tornaram diárias, e as idas ao hospital mais frequentes. "Eu já acordava mal, e passava o dia à base de medicamentos para poder trabalhar. Nessa época também comecei a sentir tontura e suava frio. Cheguei num ponto em que não aguentava mais, estava desesperada", recorda.

Após muitas pesquisas, a bancária conheceu os livros do médico Alexandre Feldman, especialista no assunto, e o programa aplicado por Daniela Miguel, coach de enxaqueca. "Comecei a seguir os que eles recomendavam. Mudei, por exemplo, meus hábitos alimentares. Parei de tomar café e cortei o açúcar. Com isso, a intensidade da dor diminui e as crises caíram para oito por mês, mais ou menos, e só uma é com aura. Ainda não tenho a vida que desejo, mas estou no caminho certo. Agora tenho esperança", completa.

Quem também sofre com esse problema é a aposentada Nilceya Silveira de Carvalho, de 65 anos. "Minha primeira crise já foi com aura, por volta dos 40 anos, e desde então é sempre igual. Vejo um pequeno raio, e ele se expande até eu não enxergar mais nada. Depois de alguns minutos é que vem a dor de cabeça, e bem forte."

Apesar de ter perdido as contas de quantos médicos procurou e de quantos tratamentos já tentou, ela diz que até hoje não sabe o que causa a enxaqueca e também nunca foi informada sobre a aura. "Descobri o que era assistindo televisão."

Nestes 15 anos convivendo com a doença, Nilceya tem épocas de melhora e piora. Atualmente, diz que os episódios diminuíram bastante. "Fico dois, três meses sem nada, aí volta e tenho três ou quatro na mesma semana. O que não posso é ficar sem remédio. Levo para todo lugar que vou, porque nunca sei o que vai acontecer."

Enxaqueca com aura visual

Também chamada de oftalmológica ou ocular, a enxaqueca com aura não tem nada a ver com a visão. Na verdade, assim como a clássica, ela está totalmente relacionada com o cérebro.

De acordo com Danilo Andriatti Paulo, especialista em neuro-oftalmologia do H. Olhos - Hospital de Olhos - , é comum os pacientes com enxaqueca procurarem primeiro um oftalmologista por conta dos sinais visuais gerados pela enfermidade.

"Até existem algumas doenças com sintomas parecidos, como descolamento de retina, então temos de descartar todas as possibilidades antes de encaminhar o paciente para o neurologista", analisa.

Mas o que é exatamente a enxaqueca com aura? Como explica Fabio Porto, da FMUSP, a enxaqueca em si é uma doença crônica, cuja principal características é dor de cabeça forte, normalmente pulsátil. Suas causas ainda não totalmente conhecidas, mas sabe-se que ocorre um desequilíbrio bioquímico no cérebro, associado a predisposição genética e fatores ambientais e comportamentais.

Já a aura é um fenômeno neurológico que ocorre antes - é o mais comum, daí ser conhecida como "premonição" -, durante ou até depois do aparecimento da dor.

"O que acontece, neste caso, é uma alteração elétrica no cérebro, correlacionada com a depressão alastrante de leão (onda de intensa atividade nervosa celular que se espalha pela camada externa do cérebro, o córtex). E ninguém sabe ainda porque algumas pessoas têm e outras não", informa o médico.

Os distúrbios da visão, além das formas como citamos no início desta reportagem, pode causar ponto cego (escotoma), perda temporária da capacidade de enxergar e falta de foco. E isso pode ocorrer em um ou nos dois olhos, muitas vezes até com eles fechados.

Prevenção e tratamento

Para evitar a enxaqueca com aura as recomendações são as mesmas da enxaqueca clássica: descobrir os fatores desencadeantes, dormir bem - nem de mais e nem de menos -, evitar o estresse, ter uma alimentação saudável e equilibrada, não ficar muitas horas em jejum, praticar atividade física regularmente e se manter hidratado.

É preciso salientar que diversos estudos mostram que este tipo de enxaqueca é um fator de risco para o acidente cerebral vascular (AVC). Por isso, segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia, é imprescindível que seus portadores parem de fumar e, as mulheres, suspendam o uso de anticoncepcionais hormonais combinados, que contenham estrógeno e progestágeno - eles reduzem as proteínas no sangue que protegem do derrame.

No mais, é fundamental buscar a ajuda de um especialista, a fim de que ele determine o melhor tratamento para o problema e indique os medicamentos necessários.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados - É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC


Caminhão da Caixa chega a Teixeira e irá oferecer serviços de

De segunda (27) a sexta-feira (31) estará em Teixeira de Freitas o caminhão da Adimplência da Caixa Econômica, que oferece atendimento aos seus

Como nossos dentes podem ajudar a ciência

Além dos dentes de leite infantil, os permanentes também podem ser úteis em pesquisas científicas Depois de perder um dente ao cair

Quantos copos de água devemos tomar por dia?

Quem nunca ouviu aquela história de que devemos tomar oito copos de água por dia para manter nossos corpos hidratados? Alguns estudos mostram

Lavrador de 51 anos tem pedra de 1,3 Kg e 18 cm retirada da bexiga em

Jacobina: Um lavrador de 51 anos passou por uma cirurgia em um hospital de Jacobina, na região norte da Bahia, para a retirada de uma pedra de

Como o sedentarismo mudou nossos pés

Os pés ficaram séculos sem mudanças, no processo de evolução, até que começamos a nos mover menos Durante quase dois milhões de anos, os

Estudo sugere que a maconha aumenta a vontade de se exercitar

Um novo estudo questiona o estereótipo de “preguiçoso” de usuários de maconha Um novo estudo parece quebrar o esteriótipo de usuários de

Nem masculino, nem feminino: conheça a realidade dos intersexo

O sexo do bebê é algo celebrado desde o acompanhamento médico da criança com os ultrassons, até os festivos chás de revelação. Mas o que

Saúde pública: São quase 500 oportunidades para médicos

Salários passam de R$ 14 mil Os médicos estão cada vez mais atraídos pelos concursos públicos. Antes poucos se inscreviam ou não assumiam o

Cientista brasileira cria 'caneta' que detecta câncer durante

Uma cientista brasileira de 33 anos desenvolveu uma espécie de caneta capaz de detectar células tumorais em poucos segundos. Livia Schiavinato

Médico é acusado de envenenar 17 pacientes

Frédéric Péchier, que havia sido acusado de sete envenenamentos, é agora suspeito de ter intoxicado outras 17 pessoas Um anestesista francês,

UAI Brasil
Nossos Apoiadores: