Acessório muito comum nos banheiros de antigamente, item que deixou de fazer parte da decoração era um aliado contra algumas doenças

Posicionado ao lado do vaso sanitário, o bidê era mais do que item obrigatório na decoração dos banheiros de antigamente. Servia como aliado na prevenção de infecções e incômodos na região íntima.

O hábito de fazer a higiene com água e sabão, facilitado pelo uso do bidê, foi paulatinamente sendo abandonado, aumentando os riscos para a saúde. 

Professor titular de urologia da Unicamp, Ubirajara Ferreira, da clínica UroHominis, acredita que o bidê era uma forma de o indivíduo se adaptar para fazer higiene íntima da região do períneo. A ducha presente em alguns projetos arquitetônicos tem a mesma função, mas não está presente em todos os lugares.

"A ducha higiencia é fundamental. Defecar e deixar restos de fezes causa problemas. As fezes sempre têm bactérias. Se ficam ao redor do ânus causam problemas irritativos, coceira. Obviamente que, se não lavar, vai ficar resto e pode causar uma irritação local", explica o médico.

 Para as mulheres, o risco é ainda maior.  "Essas bactérias podem entrar em contato com a vagina, subir até uretra e causar cistite. A cistite normalmente é causada por bactérias intestinais, como a  E.coli, que vem de fora para o canal.  No caso da vagina também é importante ressaltar que mulher tem bacilos naturais e se houver contaminação podem levar a uma infecção", detalha Ferreira.

Rogério Tadeu Felizi, ginecologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, reitera que a anatomia do sistema reprodutor feminino e sua proximidade ao trato gastrointestinal (anus) torna o corpo feminino mais sensível à falta de higienização.

"Devido à grande proximidade da região genital feminina ao ânus, frequentemente esta pode ser contaminada por microorganismos presentes no trato gastrointestinal. Isso é mais comum em crianças que ao fazer sua higiene intima podem levar bactérias do ânus para região genital, também é muito frequente em mulheres acamadas ou que necessitam fazer uso de fraldas. Nesses casos a lavagem é fundamental para evitar as infecções genitais", explica o médico.

Para Felizi, a utilização de duchas higiênicas após as evacuações pode ajudar na diminuição de microorganismos na região vulvar e consequente contaminação da região genital por bactérias do trato gastrointestinal provenientes da região anal. "Quando não é possível a lavagem desta região muitos profissionais sugerem a utilização de lenços umedecidos", recomenda.

Na opinião do urologista Ubirajara Ferreira, todos os banheiros, principalmente os comunitários, deveriam ser obrigados a ter duchinha.

Fonte: R7


Equipe da Regulação realiza mutirão para acabar com espera nas

Teixeira de Freitas: O fim de semana foi de muito trabalho para a equipe de servidores da Regulação de Teixeira de Freitas. Após a Prefeitura,

Servidores da Saúde são vacinados contra o sarampo

Os servidores da rede pública de saúde de Teixeira de Freitas foram imunizados contra o sarampo por integrarem o chamado “grupo de risco”. O

Centro Especializado de Reabilitação ganha novas especialidades

Teixeira de Freitas: O Centro Especializado de Reabilitação de Teixeira de Freitas (CER 4) está qualificado para atender as demandas

Prefeitura promove reestruturação para agilizar marcação de

Teixeira de Freitas: “A Regulação de Teixeira de Freitas já ficou boa e vai ficar ainda melhor com as novidades”. A afirmação é da dona

Nova terapia promete reduzir mortes por infecção generalizada

Medicamento chamado IRSh* combinado com antibióticos convencionais muda a "cara" da bactéria e corrige resposta do sistema

O sucesso do áudio pornô, que atrai cada vez mais mulheres

A indústria pornográfica migrou das fitas para o DVD, do DVD para internet, e agora acompanha a tendência de sucesso dos podcasts com uma

Uso de maconha medicinal é aprovado pela Anvisa

A Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou por unanimidade a legalização do uso medicinal da maconha. De acordo com o site Hypeness,

Veja os relatos de brasileiros que vivem a traumática paralisia do

Priscila Matos tem paralisia do sono há 25 anos, desde os 10 anos de idade "Eu tive essa sensação pela primeira vez aos nove anos. Acabei

Relatório identifica situação degradante em 40 hospitais

Vistorias feitas em 2018 apontam violência e exploração de trabalho Inspeções em 40 hospitais psiquiátricos de 17 estados das cinco regiões

Dezembro Vermelho: CTA realiza testes rápidos de HIV

O Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) deu início nesta segunda-feira (02), às ações de conscientização do Dezembro Vermelho, com

Nossos Apoiadores: