Você deve ter visto nas aulas de história do seu curso preparatório enem que a vida na Idade Média não era muito fácil, não é verdade? Um dos períodos mais complexos ocorreu no final do século XIII. Estamos falando da chamada “Santa Inquisição”.

Para gabaritar as questões relacionadas a esse período, o aluno precisa entender as motivações da Igreja Católica e as consequências que as decisões dessa instituição causaram na Europa. Preparado? Então, leia com atenção este artigo!

O medo de ir para o Inferno

A Igreja Católica detinha grande poder e influência na Europa do período medieval. Isso fazia com que a religião influenciasse as decisões dos chefes de estado, ditasse normas culturais e mantivesse grande influência social nos cidadãos daquele continente.

Contudo, é importante lembrar que estamos falando de muitas regiões, cada qual com a sua cultura. Por isso, durante toda a sua história, a Igreja foi padronizando a sua narrativa, de modo que as mesmas interpretações sobre a história do Cristianismo fossem difundidas, evitando várias versões.

Sendo assim, no ano de 1233, o Papa Gregório IX cria o tribunal do Santo Ofício, com o objetivo de punir heresias. Ou seja, qualquer manifestação sobre o Cristianismo ou sobre a conduta religiosa que não estivesse em conformidade com o que havia sido decidido nos concílios católicos, seria punido. Como a Igreja detinha grande poder, essa punição estava acima de qualquer outro tribunal.

É importante frisar que essa sociedade era teocêntrica. Isso significa que todo pensamento era baseado na existência de Deus, portanto, não fazia sentido contestar a Igreja, uma vez que ela era a representante de Cristo na Terra.

A lista de heresias

A Inquisição não era apenas um tribunal. Ela também atuava como uma espécie de serviço de espionagem. Seus membros frequentavam diferentes ambientes com o objetivo de verificar comportamentos que não estivessem em conformidade com os dogmas da Igreja.

Isso incluía, logicamente, outras manifestações religiosas. Portanto, manifestantes de outras religiões, como judeus e muçulmanos, foram perseguidos. Essa investigação poderia começar ao perceber que uma pessoa se recusava a comer carne de porco, já que tanto no Judaísmo quanto no Islamismo, o consumo de carne suína não é permitido.

Para combater a ascensão de outras religiões, incluindo, posteriormente, os protestantes, a Igreja contava com as forças militares dos nobres católicos. 

Os sacerdotes poderiam ainda fazer uma longa pesquisa nos arquivos da Igreja para identificar se toda a ascendência de uma pessoa havia se batizado. Religiões pagãs, manifestadas pelo uso de plantas medicinais, também não eram toleradas. 

Do ponto de vista comportamental, a chamada sodomia (sexo anal) ou qualquer atitude que fugisse ao padrão vigente era investigado e punido.

Além disso, falar do Cristianismo de forma a contestar a Igreja não era aceito. Joana D’arc, por exemplo, foi queimada por heresia no ano de 1412 por afirmar que ouvia as vozes de santos católicos.

O uso de tortura

Uma pessoa identificada como herege poderia ser punida de diferentes formas, dependendo da gravidade do seu ato. Existiam penalidades que ridicularizavam o fiel, fazendo-o usar máscaras de ferro por meses.

Como o castigo físico era compreendido como uma maneira de remediar o pecado, algumas pessoas eram condenadas ao autoflagelo, chicoteando a si mesmas. Todavia, a Igreja também aceitava o confisco de bens como punição.

Os castigos poderiam se tornar mais severos se a pessoa se recusasse a confessar a heresia. A confissão era obtida por meio de complexos instrumentos de tortura física e psicológica. Sendo esse, um dos traços mais marcantes da Inquisição.

Todavia, a punição mais grave que poderia acontecer era a excomunhão, já que isso condenava a pessoa ao inferno.

Agora que você entendeu o contexto e o que foi a Santa Inquisição, ficará mais fácil responder questões relacionadas a esse tema, não é mesmo?

Sisu.2: inscrições começam nesta terça (7) e vão até

Consulta de vagas do Proni também foi liberada De hoje até a próxima sexta-feira, 10, estudantes que participaram da última edição do Exame

Aplicativo do Enem terá simulados e provas de edições anteriores

Estudantes que buscam formas de se preparar para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem contar com mais uma ferramenta. A nova versão do

MEC abre consulta pública do Catálogo de Cursos Técnicos

Contribuições podem ser enviadas até a sexta-feira O Ministério da Educação (MEC) abriu, nesta segunda-feira (6), a consulta pública da

Conheça Ana Carla Carlos, estudante aprovada em seis universidades

Para dar continuidade nos estudos, Ana Carla lançou uma campanha para arrecadar recursos Ser agente de transformação é o sonho da estudante

Após sofrer acidente na adolescência, jovem decide fazer enfermagem

Aos 23 anos, Victor Ramos atua como técnico em enfermagem em um posto de saúde A maioria das pessoas sempre questiona o porquê de passarem por

Covid-19: biblioteca da CAPES contribui para pesquisas sobre o vírus

O acervo disponibilizado pela biblioteca é gratuito Diversos pesquisadores de pós-graduação, inclusive aqueles que se dedicam aos estudos sobre

MEC define protocolo de segurança para volta às aulas

Cronograma das atividades deve ser orientado pelo governo local O Ministério da Educação (MEC) definiu um protocolo de biossegurança para a

Casa da Cultura irá promover Festival Cultural “Dedicasa tem

As mídias digitais tem sido fundamentais na disseminação da cultura durante este período de pandemia. A Casa da Cultura, órgão ligado à

SEC- BA e APLB dialogam sobre protocolos de volta às aulas

A Secretaria da Educação do Estado (SEC) promoveu, nesta terça-feira (30), uma reunião virtual com dirigentes da SEC e representantes da APLB

Ministro da Educação deixa o governo após cinco dias no cargo

Antes mesmo de tomar posse, o ministro da Educação, Carlos Decotelli, deixou o cargo após o presidente Jair Bolsonaro ter aceitado seu pedido de

Nossos Apoiadores: