Para Lara Facioli, professora da Universidade Federal do Rio Grande, é possível que haja uma mudança de comportamento como ocorreu com o aparecimento da Aids.

“Oito ou oitenta.” É assim que a advogada Gabriela (ela prefere não dar o sobrenome), 25 anos, descreve a sua libido durante o isolamento social. Por causa do confinamento, a advogada não tem tido contato físico com o namorado, que mora em casa separada.

“Estou numa montanha-russa de sentimentos. Nesse momento, por exemplo, minha libido está muito mais seletiva diante da pandemia”, diz Gabriela, que alterna dias sem interesse sexual e outros em que ela relata necessidade de autocontrole para não sair do isolamento e visitar o namorado.

A socióloga Lara Facioli, professora da Universidade Federal do Rio Grande (RS), diz que o ambiente da pandemia do novo coronavírus é consonante com a descrição de "montanha-russa" feita por Gabriela.

"O fato de que a sexualidade é afetada pela quarentena não pode ser generalizada. Nós temos, por um lado, relatos de diminuição da libido com queda da autoestima, irritação e desgaste pela convivência com a família no mesmo espaço, variações de humor, aumento do medo e da ansiedade", diz.

"Por outro lado, também há inúmeros relatos sobre aumento da masturbação, de consumo de pornografia e de exposição de si na rede. Essas diferenças variam de acordo com nossa experiência social e subjetiva da pandemia."

Facioli diz que a obrigação social de evitar o contato físico não faz desaparecer as necessidades afetivas e sexuais. "Como vamos lidar com isso eticamente e de forma coletiva é um desafio constante que permanecerá entre nós por bastante tempo.”

A socióloga afirma que, a exemplo do aparecimento da Aids nos anos 1980, a atual pandemia provocará mudanças no modo como nos relacionamos sexualmente.

“No início do boom de contágio do HIV, não sabíamos exatamente como a doença se transmitia. Foram anos de processos de higienização que alteraram nossas práticas sexuais cotidianas”

“É possível que tenhamos um contexto mais grave do que houve com a epidemia de Aids, já que com o coronavírus o contágio se dá de outra forma e dependemos de uma ampla produção de vacinas para que haja imunidade, além de políticas públicas de cuidado coletivo.”

Até o momento, não há comprovação de que o coronavírus seja transmitido pelo sexo, já que ele não foi encontrado em fluidos vaginais nem no sêmen. Mas pode ser transmitido pela saliva e a proximidade dos corpos pode ocasionar situações de transmissão.

Pandemia e ética sexual

A flexibilidade do isolamento social, que já ocorre em alguns países, vai impor algumas questões éticas na arena sexual. “As pessoas serão projetadas para o encontro novamente. É aí que teremos um sexo atravessado por muitas novas negociações, como exemplo, com quem transar, como fazer, quais estratégias utilizar para se proteger”, afirma Facioli.

O coronavírus poderá também, nas palavras da socióloga, trazer à tona preconceitos e valorizar discursos moralistas, como ocorreu na explosão da Aids. Podem aparecer "novos estigmas sobre grupos sociais, como profissionais da saúde, chineses e solteiros, além de retomar discursos que romantizam a esfera da casa e da família, por exemplo”.

"Estamos criando um aparato de vigilância sobre os corpos que faz voltar os discursos sobre promiscuidade e os pânicos morais. Os solteiros tendem a ser socialmente julgados e colocados como grupo de contágio em relação aos casados que, em tese, estariam mais protegidos pela esfera do casamento e da família", explica a professora, defendendo que é preciso vigilância para não transformar o coronavírus em uma "doença moral, que responsabiliza os indivíduos e isenta a responsabilidade dos governos."

Aumento do consumo de pornografia

O consumo de pornografia on-line também aumentou com a pandemia de coronavírus: segundo o site de conteúdo pornô Brasileirinhas, em março o número de assinaturas por dia teve aumento de 50%.

O Pornhub, maior site pornô do mundo, diz que registrou significativo aumento de tráfego. O número de acessos ao portal começou a aumentar no dia 1º de março. No dia 25 de março, a alta diária chegou a 24,4%. Em abril, as visitas diárias aumentaram entre 10% e 17%.

Quando perguntada se o maior consumo de pornografia será saudável ou prejudicial à nossa sexualidade, Facioli lembra que existem vários tipos de pornografia e isso dependerá do conteúdo que consumimos.

Se por um lado existem conteúdos adultos focados na violência e humilhação do corpo da mulher, por outro “também existe material pornográfico que problematiza os corpos e as desigualdades de gênero apresentados na pornografia convencional”, diz a professora.

Mercado erótico

Uma pesquisa publicada nesta quinta-feira (19) pela Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual (Abeme) mostrou que, de março à metade de maio, as vendas de produtos eróticos aumentaram 4,12% em relação ao mesmo período do ano passado. Se considerarmos somente os vibradores e consolos, o aumento foi de 50% (mais de 1 milhão de vibradores vendidos em dois meses).

Para aproveitar o aumento do interesse do brasileiro por produtos de sex shop durante o isolamento social, a Abeme informou que os lojistas têm oferecido grupos de apoio sexual no WhatsApp e lives com terapeutas sexuais que dão dicas de masturbação, sexo durante a quarentena, sexo virtual, grupos de swing (troca de casais) on-line e até de como decorar a casa como um motel.

Tais números demonstram que a pandemia está alterando a maneira como lidamos com o sexo, substituindo o contato físico por ferramentas físicas e virtuais que nos permitem “vivenciar a sexualidade”, explica Facioli.

“O momento nos faz pensar o que vamos construir daqui para frente em muitos aspectos da vida social. A sexualidade é um debate que deve estar em pauta”, defende a socióloga, explicando que discutir sexo e sexualidade é uma oportunidade de pensar sobre ética, afeto, relações de gênero e até violência no pós-pandemia.

Facioli explica que tendemos a associar o sexo na vida real com imagens e discursos pornográficos que consumimos no cotidiano. “É comum, por exemplo, em aplicativos de busca de parceiros para homens, categorias utilizadas na pornografia para qualificar o tipo físico das pessoas ali apresentadas”, explica a socióloga.

Logo, maior tempo de exposição à pornografia e o menor contato físico poderão alterar o que entendemos por sexo.

Fonte: G1

Caetano Veloso bate recorde de reproduções no Spotify após live

Depois do aguardado show virtual, o músico baiano teve 1,6 milhão de reproduções nas plataformas digitais A live do baiano Caetano Veloso não

Netflix disponibilizará musical da Broadway sobre princesa Diana

O projeto audiovisual do espetáculo ‘Diana: um novo musical’ está em produção e deve ser lançado ano que vem A Netflix disponibilizará o

Madonna cria mistério em torno de projeto com Diablo Cody

Em vídeo publicado no Instagram, a cantora pop aparece conversando com a roteirista de 'Juno' Após encerrar um contrato com a Universal Music,

Morre cantor de 'La bamba' Trini Lopez, aos 83 anos

Trini é do Texas e deixava isso bem claro em seu visual. Era filho de pais mexicanos e recebeu o nome de Trinidad Lopez III Cantor e guitarrista

Filhote de baleia jubarte é encontrado morto em praia

Um filhote de baleia foi encontrado morto na manhã deste domingo (9), na praia de Ponta Grande, que fica na orla norte de Porto Seguro, cidade

Andréa Beltrão diz que não recebeu joias de Hebe: 'era

Em uma coletiva de imprensa, a atriz relatou que havia ganhado as joias de presente da família de Hebe Andréa Beltrão usou o Instagram nesta

'A barraca do beijo 2': protagonista afirma não ter visto o filme

O ator Jacob Elordi não informou o motivo de não ter assistido a produção original da Netflix A sequência do filme foi confirmada pela

Alceu Valença, Chico César e outros artistas se unem em live

O objetivo do projeto #RecuperaCarranca é arrecadar doações para o tratamento de Hugo Carranca, músico da banda Otto e ex-membro Sheik

Netflix disponibiliza terceira e última temporada de 'The Rain'

Série da Netflix estreou em 2018 e encerra com seis novos episódios Uma mistura de emoções invade os fãs da série dinamarquesa da Netflix.

Padre Fábio de Melo fez tatuagem de abelha: "Será meu sinal"

O padre revelou o desenho ao seus seguidores nesta terça-feira (4/8). Fábio de Melo deu o nome de "Ana" à tatuagem, o mesmo de sua mãe O padre

Nossos Apoiadores: