O técnico da seleção brasileira, Dunga, explicou nesta terça-feira as razões que o fez não convocar os santistas Neymar e Ganso, e também o flamenguista Adriano para a Copa do Mundo-2010.

O treinador afirmou ainda que teve seus motivos para convocar atletas que hoje estão no banco de reservas em suas equipes, caso de Julio Baptista e de Doni, ambos da Roma (Itália): coerência e comprometimento.

Neymar e Ganso
"Dia 15 de dezembro, quando acabou o Brasileiro, eles [Neymar e Ganso] eram reservas. Aí eles saíram de férias em dezembro. Voltaram em janeiro. Foi fevereiro e março [que jogaram bem]. Você acha que um jogador desse terá preparação para uma Copa? Pode ser que tenha, mas uma experiência dessa, na maioria das vezes, não deu certo", fala Dunga sobre Neymar e Paulo Henrique Ganso.

"Esses jogadores têm um talento imenso, são fantásticos, não tenho dúvida. Mas para se levar para uma Copa do Mundo precisamos testar. Aí o cara vem e me fala em levar como experiência para 2014. Vocês acham que não tenho inteligência? Eu tenho que ganhar hoje. A cobrança em cima de mim é hoje, não para 2014."

Adriano
"Nós demos inúmeras oportunidades e chances para ser reverter uma determinada situação. Mas aí vem a coerência, compreensão e comprometimento. Uma hora tivemos que tomar uma decisão pelo coletivo. O grupo sempre acolheu o Adriano, mas uma hora tivemos que tomar uma decisão. Meu emocional fala uma coisa, mas a razão pelo meu país fala outra."

Ronaldinho Gaúcho
"Veja bem. O que vou responder, não quero que levem que sou rancoroso. Se eu estou há 3,5 anos e vejo vocês falar o tempo todo que nenhum treinador colocou ele na posição certa, do lado esquerdo. Então vai disputar posição com os caras daquele setor. Olha como futebol é simples. Cada um na sua, vamos disputar posição. Vem a tal da coerência. Se passamos 12 anos dizendo que o Ronaldinho colocou na posição que ele sabe jogar e querem colocar ele no meio? A capacidade dele é indiscutível. Eu tenho que tomar a decisão pela razão, pelo que aconteceu em campo. Lógico que me interessa o que acontece no clube, mas mais me interessa com o que acontece na seleção. Tenho meus problemas. Posso dizer para todos vocês: não tive problema nenhum com relação a comportamento de jogadores. Tenho que tomar decisões técnicas. Alguns concordam, outros não. Alguns aspectos são números. O drible tem que ser transformado em gol. Minhas decisões são tomadas em cima disso."

Dunga

Capitão da seleção brasileira que foi campeã mundial de 1994 e vice em 1998, o ex-volante gaúcho ainda está em seu primeiro trabalho como técnico. Na nova carreira, ele manteve a garra e determinação dos tempos de atleta como marca e construiu uma equipe à sua imagem.

Kaká

22/04/1982, Real Madrid-ESP, meia, 1,85 m e 82 kg
Em sua terceira Copa do Mundo, terá pela primeira vez a responsabilidade de ser o principal nome da seleção. Foi eleito o melhor jogador do mundo em 2007, quando defendia o Milan. Viveu uma temporada difícil na Espanha, enfrentando problemas físicos e vaias da exigente torcida madrilena.

Júlio César

03/09/1979, Inter-ITA, goleiro, 1,86 m e 79 kg

Gomes

15/02/81, Tottenham-ING, goleiro, 1,91 m e 79 kg

Daniel Alves

06/05/1983, Barcelona-ESP, lateral, 1,73 m e 64 kg

Michel Bastos

02/08/1983, Lyon-FRA, lateral, 1,79 m e 71 kg

Lúcio

08/05/1978, Inter-ITA, zagueiro, 1,88 m e 84 kg

Juan

01/02/1979, Roma-ITA, zagueiro, 1,82 m e 74 kg

Felipe Melo

26/06/1983, Juventus-ITA, meia, 1,83 m e 80 kg

Gilberto Silva

07/10/1976, Panathinaikos-GRE, meia, 1,84 m e 74 kg

Ramires

24/03/1987, Benfica-POR, meia, 1,80 m e 73 kg

Robinho

25/01/1984, Santos, atacante, 1,72 m e 69 kg

Luis Fabiano

08/11/1980, Sevilla-ESP, atacante, 1,83 m e 81 kg

Doni

22/10/1979, Roma-ITA, goleiro, 1,94 m e 91 kg

Maicon

26/07/1981, Inter-ITA, lateral, 1,84 m e 77 kg

Gilberto

25/04/1976, Cruzeiro, lateral, 1,80 m e 78 kg

Luisão

13/02/1981, Benfica-POR, zagueiro, 1,93 m e 92 kg

Thiago Silva

22/09/1984, Milan-ITA, zagueiro, 1,83 m e 79 kg

Josué

19/07/1979, Wolfsburg-ALE, meia, 1,69 m e 66 kg

Kleberson

19/06/1979, Flamengo, meia, 1,75 m e 74 kg

Elano

14/06/1981, Galatasaray-TUR, meia, 1,74 m e 65 kg

Júlio Baptista

01/10/1981, Roma-ITA, meia, 1,87 m e 81 kg

Grafite

02/04/1979, Wolfsburg-ALE, atacante, 1,89 m e 79 kg

Nilmar

14/07/1984, Villarreal-ESP, atacante, 1,80 m e 73 kg


Por: Rogério Ferraz


Brasil vence Coreia do Sul e encerra jejum de vitórias

O Brasil fez as pazes com a vitória na manhã desta terça-feira (19). Jogando no estádio Mohammed Bin Zayed, em Abu Dhabi, o time Canarinho

UFC promete três eventos no Brasil em 2020

O UFC se despediu do Brasil neste ano com o evento em São Paulo no último sábado, 16. Nele, o show foi de Charles do Bronx, que ganhou por

Bahia empata com o Palmeiras e mantém jejum na Fonte Nova

O Bahia empatou em 1 a 1 com o Palmeiras, na tarde deste domingo, 17, na Arena Fonte Nova. Com o resultado, o time mantém o jejum de sete

Vitória fica a um triunfo de permanência na Série B

O Vitória nunca esteve tão perto de confirmar a permanência na Série B como agora. Depois de muitas rodadas de convívio com a ameaça do

Contra o Palmeiras, Bahia tenta quebrar jejum que dura 31 anos

Tricolor não vence o time paulista como mandante desde o Brasileirão de 1988 O jejum do Bahia na Série A do Brasileirão tem incomodado e

Flamengo e Vasco empatam em jogaço de 8 gols no Maracanã

Líder do Brasileiro abre 11 pontos de vantagem para Palmeiras Flamengo e Vasco empataram em 4 a 4 em um grande partida disputada na noite desta

Brasil emplaca duas dobradinhas no pódio do Mundial

No masculino vieram medalhas nos 100m T11, e no feminino nos 200m T11 A primeira dobradinha brasileira hoje (13) no Mundial de Atletismo

Brasileiro bate recorde em lançamento de disco em Dubai

Este é o décimo ouro do Brasil, vice-líder no quadro de medalhas A quarta-feira (13) começou dourada para o Brasil no Mundial de Atletismo

Brasil fecha dia com 6 medalhas e está em 3º no Mundial de

Quatro bronzes, uma prata e um ouro. O Brasil conquistou seis medalhas nesta segunda-feira, 11, no Mundial de Atletismo Paralímpico de Dubai e

Vitória busca garantir permanência na segunda divisão

O momento pode ser considerado o melhor do Vitória na temporada. Nas últimas oito partidas em que disputou, o Leão venceu quatro e perdeu apenas

Nossos Apoiadores: